quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Mente nefelibata

     Mente nefelibata

     *Nefelibata ficou a minha mente
     Não perdida em sonhos, mas acordada
     Inexpressável a tragédia de repente
     Com a sentença a casa foi-me sequestrada

     Na solidão sofro, o amargor da sombra
     Que escureceu de linhas funéreas  
     E na realidade me prostra qual **lombra
     Farpeado que fui na decisão ***vipéria

     Que tirou de mim um bem que a duras penas
     Construí, e tijolo por tijolo foi regado
     Com sacrifício. E ele, tocava sua ****avena

     Em místico sonho, de um sonhar safado
     Em que espera qual felino sua presa
     Pra dar o bote, quando não é esperado.

         ·       Quem vive nas nuvens
         **efeito do uso da maconha
         ***venenosa; peçonhenta
         **** flauta pastoril
     São Paulo, 04/09/2012
     Armando A. C. Garcia

        Direitos autorais registrados

       Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário