quarta-feira, 7 de outubro de 2015

FUGAZES SONHOS

FUGAZES SONHOS

Fugazes sonhos, imagem vaporosa
Ilusões, devaneios, que o sonho consome.
A imagem se apagou resplendorosa
Nas sombras, cresto do sonho a fome

Lá fora, ouço os tagarelas boêmios
Madrugada, já a noite vai morrendo
A lua nublada qual abstêmio...
Não quer se igualar a eles nesse remendo

Com jactância afloram os gárrulos sabiás
Aos últimos suspiros do brilho das estrelas
E o lindo sonho se desvaneceu voraz ...

Resta-me somente a alma venturosa
Por ter beijado sua boca ardente e bela
Embora, tenha sido em sonho cor de rosa !

São Paulo, 30/09/2008 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário