terça-feira, 6 de outubro de 2015

Contrariedades

Contrariedades 

De ver tanta depravação nos costumes 
Já me acostumei à anormalidade 
Chegando até a pensar que esses *gumes 
São apenas, uma questão de contrariedade 

Com raras exceções, a crítica ignoram 
Merecem um **epigrama mais à altura 
Sem pejo, a boa fé do povo exploram 
Mesmo que seu método, nos leve à sepultura! 

Implacável a austera intransigência 
Que em nome do direito e da verdade 
Fingem praticar com toda coerência 

Qu’na verdade, fazem com degenerência 
E nós do povo crentes na sinceridade 
Quietos, como sem um pingo de decência ! 

• Perpicácia;agudeza 
** Poesia sátira 

Porangaba, 02/03/2014 (data da criação) 
Armando A. C. Garcia

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário