terça-feira, 6 de outubro de 2015

Caminhos do desalento

Caminhos do desalento 

As profundezas da depressão sem trégua. 
Se ultrapassadas perturbam a razão 
Com teu amor, estarei liberto delas 
E da solidão afastada a mais de légua 

Regatei a plenitude de meu ser 
Senti a sensação de felicidade 
Longas as possibilidades de viver 
Sem retornar a sentir necessidade 

De calmantes pra controlar a ansiedade 
Com teu amor,voltarei a ser o eu 
Que sempre fui, na pura serenidade 
Num sentimento de afeto que é só teu 

Porangaba, 28/05/2013 
(data da criação)

Armando A. C. Garcia
 

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema


Nenhum comentário:

Postar um comentário